Other stuff ->

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Conto: Rotas (1 - O Mago)




O Mago

Quando começou a despertar de seu torpor deparou-se com um indivíduo
estranho, que estava se deleitando com sua situação - um Mago.



Porque estava ele rindo ? O louco não achava graça nenhuma.



Mas o Mago cada vez mais contorcia-se de riso, derrubando de sua mesa
seus objetos mágicos - mas também pudera - sua mesa só tinha três pés
- como é que ele pensa que essa mesa ficaria estável ? - pensou o
Louco.



Para mim que sou louco, isso é normal, mas para ele não pode ser.
Engraçado que cada vez mais o Louco achava que o Mago não batia bem da
cabeça.



Do outro lado do mundo, o Mago via o Louco como um indivíduo passivo,
meio louco até, já que ele o provocava com suas prestidigitações e ele
nem reagia.



Era difícil descobrir quem era o mais embusteiro da estória, já que
um achava que estava enganado o outro, visto que o Louco achava que o
Mago não tinha a idéia muito boa, e o Mago achava que o Louco era
louco mesmo.



Eram dois mundos que apenas se tocavam pela percepção daquele
momento, mas que viajavam em direções diametralmente opostas.


Mas o Mago era aberto - toda a sua vida e arte estavam naquela mesa,
e o Mago rapidamente a montou novamente - e mostrando uma moeda ao
Louco, empunhou sua varinha mágica e desapareceu, levando consigo sua
mesa e suas quinquilharias.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Translate