Other stuff ->

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Lei Seca em BHte vai começar pra valer no dia 13

Blitzes permanentes e mais rigorosas, como as do Rio de Janeiro,

começam a funcionar na quinta-feira em BH

e prometem tolerância zero contra quem dirigir alcoolizado

Policiais testaram funcionamento da nova blitz no Bairro de Lourdes há
quatro meses: ação integrada contra bebida ao volante

Copo vazio não combina com a capital dos botecos, mas a partir da
próxima semana quem se arriscar a dirigir depois de beber em Belo
Horizonte correrá mais riscos de ser pego em blitzes. Mais de três
anos depois da implantação da Lei Seca, com resultados tímidos em
Minas, o governo do estado marcou para quinta-feira o início de uma
campanha permanente que promete seguir o rigoroso modelo adotado no
Rio de Janeiro. O motorista que apresentar sinais de embriaguez terá a
carteira de habilitação cassada por um ano e poderá responder a
processo criminal.

As blitzes da campanha, batizada de "Sou pela vida, dirijo sem
bebida", vão ocorrer sempre de quinta a sábado em pontos "surpresa"
que tenham grande concentração de bares, boates e restaurantes, como
os bairros de Lourdes e Sion, na Região Centro-Sul da capital, e a
Avenida Raja Gabaglia. As entradas da cidade, corredores viários e
pontos com grande ocorrência de acidentes e mortes no trânsito também
vão receber as equipes da Lei Seca, que vão se movimentar e trocar de
ruas durante a noite e a madrugada. As equipes serão compostas por
policiais civis do Detran, policiais militares, bombeiros e guardas
municipais. Integrados, os agentes terão acesso ao banco de dados dos
seus respectivos órgãos para verificar outras infrações, como situação
do veículo, pagamento de IPVA e habilitação. Dois cadeirantes –
vítimas de acidentes de trânsito – também participarão da abordagem
aos motoristas.

Um dos desafios da nova campanha é resgatar a credibilidade da Lei
Seca, que em três anos apresentou resultados pouco expressivos em
Minas. O estado ocupava até o ano passado uma das últimas posições no
ranking do Ministério da Saúde de redução de mortes no trânsito.
Segundo o relatório, divulgado em 2010, houve redução de 4,2% das
vítimas de trânsito no estado mineiro – de 3.781, antes da lei, para
3.621 depois que ela entrou em vigor. Minas atingiu índice 7,7 vezes
menor que o do primeiro colocado, o Rio de Janeiro, que registrou
queda de 32%.

"Minas tem mais mortos por acidentes de trânsito do que por homicídio,
e na raiz destes acidentes está a embriaguez. O que se esperava da lei
ainda não tinha acontecido e vamos usar a multa com caráter
pedagógico", disse o secretário de Defesa Social, Lafayette Andrada.
Diretor da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes de Minas
Gerais, Paulo Nonaca diz que o setor vai participar da divulgação. A
partir da próxima sexta-feira, as "bolachas" de chope, papel bandeja e
espelhos dos banheiros de bares e restaurantes vão exibir a marca da
campanha. A exemplo do que costuma ocorrer no Rio, o coordenador de
Operações Especiais do Detran-MG, delegado Ramon Sandoli, garante que
não haverá favorecimento nas blitzes na Grande BH. "Não vamos
prejudicar nem favorecer ninguém. O procedimento adotado será o mesmo
para todos", disse.

Nas blitzes da nova campanha, todo condutor abordado deverá descer do
carro e será convidado a soprar o bafômetro. Os que apresentarem
sinais de embriaguez, como desalinho nas roupas, fala desconexa e
desequilíbrio, ainda que se recusem a fazer o teste do bafômetro,
terão a carteira apreendida e serão multados em R$ 957,70. Se não
houver outra pessoa apta a dirigir o carro, o veículo será rebocado. O
motorista infrator responderá a um processo administrativo no Detran e
perderá o direito de dirigir por um ano.

Ao se submeter ao teste do bafômetro, o motorista será liberado se o
resultado for até 0,11 mg/l (veja quadro). De 0,12 mg/l até 0,29 mg/l,
o condutor recebe a multa e tem sua carteira apreendida. Se o
resultado for superior a 0,30 mg/l, o motorista fica sujeito às mesmas
penalidades e é encaminhado à delegacia, onde responderá criminalmente
por embriaguez, direção perigosa ou homicídio culposo, dependendo da
situação.

segunda-feira, 11 de julho de 2011

A importância do cafezinho

Dois leões fugiram do Jardim Zoológico. Na fuga, cada um tomou um rumo
diferente. Um dos leões foi para as matas e o outro foi para o centro
da cidade.

Procuraram os leões por todo o lado, mas ninguém os encontrou.

Depois de um mês, para surpresa geral, o leão que voltou foi
justamente o que fugira para as matas. Voltou magro e faminto. Assim,
o leão foi reconduzido à sua jaula.

Passaram-se oito meses e ninguém mais se lembrou do leão que fugira
para o centro da cidade, quando um dia, o bicho foi recapturado.

E voltou ao Jardim Zoológico, gordo, sadio, vendendo saúde.

Mal ficaram juntos de novo, o leão que fugira para a floresta
perguntou ao colega:

- Como é que conseguiste ficar na cidade esse tempo todo e ainda
voltar com saúde? Eu, que fugi para a mata, tive que voltar, porque
quase não encontrava o que comer...

O outro leão então explicou:

- Enchi-me de coragem e fui esconder-me numa repartição pública. Cada
dia comia um funcionário e ninguém dava por falta dele.

- E por que voltaste então para cá? Tinham-se acabado os funcionários?

- Nada disso. Funcionário público é coisa que nunca se acaba. É que eu
cometi um erro gravíssimo. Já tinha comido o diretor geral, dois
superintendentes, cinco adjuntos, três coordenadores, dez assessores,
doze chefes de seção, quinze chefes de divisão, várias secretárias,
dezenas de funcionários e ninguém deu por falta deles! Mas, no dia em
que comi o infeliz que servia o cafezinho...

Estraguei tudo!

Translate