Other stuff ->

terça-feira, 8 de março de 2016

DESCRISTIANIZAÇÃO DA MAÇONARIA

As "Old Charges" mostram que na Maçonaria Operativa os maçons eram,
sem dúvidas, Cristãos Trinitários. Entretanto após a formação da
Grande Loja de Londres e Westminster, em 1717, na Inglaterra, houve
uma "descristianização" durante a formação da Maçonaria Especulativa.

A mudança se concretizou em 1723 na Constituição de Anderson, onde, no
Capítulo referente a "Deus e Religião" ficou estabelecido que as
opiniões religiosas seriam particulares e a Ordem (Craft) teria a
Religião que todos os homens concordam.

Isto, obviamente, era baseado na política dessa nova Grande Loja para
evitar discussões religiosas e políticas, sendo estas os principais
motivos de discórdia e destruição da harmonia na época.

Devemos observar que os maçons já tinham conhecimento, naqueles
tempos, dos perigos apresentados nas discussões sobre religião e
política. A Grande Loja foi formada logo após a rebelião abortiva de
James Stuart, o "Antigo Pretendente" (filho de James II).

Opiniões políticas e religiosas eram conduzidas de modo duro e amargo,
e a desunião entre os Whigs (Hanoverianos) e os Toris (Stuarts) era
muito profunda. O primeiro grupo era, na maioria, Protestantes e o
segundo grupo, Católicos Romanos.

Uma introdução de qualquer tendência na Política e/ou Religião na
Francomaçonaria, naquele estágio, poderia ser desastrosa.

Consequentemente, essa alteração na base religiosa da Ordem permitiu
que Judeus, Muçulmanos, Budistas e outros não-Cristãos, mas que
acreditam em um Supremo Criador, se torne membros da francomaçonaria.





Ir.'. Alfério Di Giaimo Neto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Translate