Other stuff ->

quarta-feira, 22 de maio de 2013

Shimmy e Wobble

Conheça mais sobre o efeito oscilatório na roda dianteira que
eventualmente poderá encontrar em qualquer tipo de moto

Shimmy ou wobble, como também é conhecido o fenômeno, está relacionado
principalmente a veículos cuja direção é apoiada em um único pivot de
sustentação e tem como componente a ampla capacidade de mudança de
direção. Pode ser sentido em motos, bicicletas e até no trem de pouso
de aeronaves – também pode ser notado em alguns tipos de veículos de
quatro rodas, cuja descrição é impertinente aqui.

O que é?

O fenômeno consiste de rápido movimento oscilatório lateral com
mudança de direção, que pode ou não evoluir para um movimento de
amplitude ainda maior, a ponto de se perder completamente o domínio da
direção, resultando em queda. As causas que geram a oscilação são
complexas e estudos em renomadas universidades americanas e européias
demonstraram que as origens podem ser as mais variadas. Como esse
texto tem caráter informativo, vou me ater aos principais aspectos
relacionados às motos.

Características

Uma característica encontrada em diversos tipos de shimmy é a presença
de mudança de velocidade – pode ocorrer tanto em processo de
aceleração quanto de desaceleração, sendo mais comum e perigoso em
aceleração. Dessa forma, veremos primeiramente sob esse aspecto:

Quando uma moto se encontra acelerando, seu centro de gravidade fica
recuado, oferecendo maior carga na roda traseira que a dianteira. Uma
leve movimentação lateral da roda dianteira pode causar um desalinho
entre ela e a roda traseira. Com menor resistência do solo, a roda
dianteira pode então tomar uma direção em ângulo maior que o
necessário para a continuidade daquele movimento, encontrando em certo
ponto abrupta resistência forçando-a para o outro lado, e assim
sucessivamente gerando o movimento oscilatório.

Causas

São diversas as causas contribuintes ou até mesmo determinantes para o
surgimento do fenômeno – pneus gastos, defeituosos ou indevidamente
calibrados, rodas desalinhadas ou desbalanceadas, suspensão mal
calibrada, caixa de direção folgada ou "calejada", peso total da moto,
altura de seu centro de gravidade, condições do pavimento, aceleração
abrupta, e excesso de pressão ao guidão, são as principais.

O que fazer?

No início da oscilação o mais importante é manter a calma para
recobrar o controle da direção. O ideal é imediatamente promover a
desaceleração, tão suave quanto a situação permitir. Uma desaceleração
bruta pode até piorar a oscilação aumentando sua amplitude. De
imediato, transfira seu peso para as pedaleiras, levantando-se um
pouco da posição sentada sobre o banco. Com isso, o centro de
gravidade tende a baixar, e como resultado, diminuir a amplitude da
oscilação lateral até sua extinção. De maneira alguma tente controlar
o movimento do próprio guidão – observações mostram que por melhor que
seja o piloto, não consegue achar o "timing" adequado porque a
movimentação do guidão é muito rápida. Tente, dentro do possível,
apenas se segurar sem oferecer muita resistência nos braços e mãos – a
flexibilidade dos braços é crucial para a finalização rápida do
evento. Para poder executar isso é preciso estar com os pés muito bem
plantados nas pedaleiras e os joelhos fazendo pressão contra a
estrutura da moto, estabilizando seu corpo abaixo do quadril. Com
essas medidas a oscilação lateral deve diminuir significativamente de
amplitude e até mesmo cessar o evento, recobrando o controle da moto.

Normalmente o shimmy em aceleração cresce em amplitude, apesar de
poder ser observado também com alta intensidade lateral logo de início
do fenômeno. Frequentemente está tambem associado às saídas de curvas
com motos esportivas, devido a grande capacidade de reaceleração que
possuem. Observe o fenômeno com atenção quando assistir na televisão
as próximas corridas de motovelocidade.

Em desaceleração

O shimmy notado em processo de desaceleração é significativamente mais
brando. Normalmente consiste de oscilação lateral bem rápida, mas com
pouquissima amplitude angular. As principais razões para seu
surgimento residem em algum aspecto mecânico – muito mais que
provocado pela ação do piloto. Como descrito anteriormente, deve-se
investigar as circunstâncias em que acontece, isolanando os fatores
que podem estar causando o desagradável efeito. Comece por analisar os
pneus e rodas – um desbalanceamento pode ser sentido até nas rodas de
um carro, quanto mais nas de uma moto. A caixa de direção
frequentemente pôde ser notada nas observações cientíicas como parte
contribuinte, quando não determinante, para o surgimento do shimmy em
desaceleração. O excesso de folga acaba por não oferecer a resistência
necessária ao movimento angular de direção, facilitando o surgimento
da oscilação, além de patrocinar indiretamente o surgimento de "calos"
nas pistas que envolvem os roletes responsáveis pelo movimento.

O shimmy em desaceleração normalmente pode ser controlado com mudança
de velocidade – geralmente com o aumento dela. A transferência de peso
tambem pode solucionar o problema, através da movimentação corporal
para trás ou para frente. Ao contrário do shimmy de velocidade, uma
maior firmeza das mãos no guidão ajuda na estabilização. Em qualquer
caso, o reposicionamento do centro de gravidade para baixo, como
descrito acima, tambem provou ser eficiente na neutralização do
fenômeno.

Outros aspectos relevantes

Além dos aspectos já citados, outros fatores podem contribuir para o
shimmy, como os ângulos de caster e trail da moto analisada, seu peso
total, distância entre eixos e altura de seu centro de gravidade.

Nas motos do tipo custom, caracterizadas pela baixa distância do solo,
longa distância entre eixos, elevado peso e grande ângulo de caster, a
tendência para a oscilação é menor que em motos como as do estilo
trail, com características exatamente opostas. Nessas, a elevada
altura do centro de gravidade, o baixo peso, curta distância entre
eixos, manobrabilidade, a forma delgada e outros parametros, favorecem
que o fenômeno possa ser experimentado com maior facilidade.

Seja qual for sua moto, tenha em mente que as circunstâncias podem vez
ou outra lhe apresentar essa situação, e o mais importante é ter
ciência de como neutralizar o efeito para recobrar o controle.
Mantenha sempre a calma e proceda como descrito – a maioria dos
acidentes relacionados ao shimmy teve como co-adjuvante a precipitação
do piloto. Tenha em mente que a pilotagem que adota obedece às leis da
física, podendo se constatar que à toda ação delicada, corresponderá
uma reação delicada, enquanto que à toda ação bruta, também
corresponderá uma reação bruta da moto. Pilote suavimente e as chances
de se deparar com esse fenômeno oscilatório serão muito menores.

Nenad Djordjevic

Piloto de testes - Instrutor de pilotagem - Campeão Paulista e
Brasileiro de motovelocidade

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Translate