Other stuff ->

sexta-feira, 2 de março de 2012

GRAUS DE APERFEIÇOAMENTO MAÇÔNICO

CORPOS E ORDENS ADICIONAIS OU COLATERAIS

Estes graus maçônicos são um meio para ensinar o valor de virtudes, tais
como a Honestidade, a Caridade, o Trabalho, a Fidelidade e a Humildade; A
primeira Grande Loja da Inglaterra começou em 1717, conhecida mais tarde
como a dos "Modernos", um termo de burla, utilizado pela Grande Loja
contrária, a dos "Antigos", formada em 1751.

Enquanto a primeira Grande Loja não permitiu atividades além dos três
graus reconhecidos do Simbolismo; a dos "Antigos" permitiu que em suas
Lojas se praticasse qualquer grau, desde
quando estivessem por ela autorizados; Quando em 1813 se uniram as
duas Grandes Lojas para constituir a Grande Loja Unida da Inglaterra,
no Artigo II de seu documento de união, se afirmou: "Se declara e se
proclama que a pura e Antiga Maçonaria consiste em três graus, e
nenhum mais, isto é, o do Aprendiz Entrado, Companheiro de Arte e
Mestre Maçom, incluindo a Ordem
Suprema do Santo Real Arco".

O termo "Modernos" era usado pelos "Antigos", de forma depreciativa, não
sendo assim um elogio.

O SANTO ARCO REAL

GENERAL LAWS AND REGULATIONS FOR THE GOVERNMENT OF THE CRAFT. - Por este
Solene Ato de União entre as duas Grandes Lojas de Maçons da Inglaterra em
Dezembro de 1813, fica "Declarado e pronunciado que a pura e Antiga
Maçonaria consiste em Três graus e não mais, incluindo a Suprema Ordem do
Sagrado Arco Real".

História do Grau: Não pode determinar-se com exatidão absoluta a data em que
começou a ser um grau. A primeira indicação impressa das palavras "Real
Arco" encontramos no informe de uma procissão cerimonial pública em Irlanda,
em 1743.

Estudo: Este grau trata do longo período que seguiu ao final do glorioso
reinado do Rei Salomão. O Templo de Jerusalém havia sido destruído, o
reinado de Judá dividido em tribos escravas. Babilônia foi conquistada por
Ciro, o Grande, para converter-se parte do poderoso império da Pérsia. Este
governante, muito humano, liberou os escravos judeus, e os convidou a voltar
a Jerusalém, para iniciar a reconstrução do Templo.

Requisitos: O Candidato deve ser Mestre Maçom com quatro semanas de
antiguidade.

MAÇONARIA DA MARCA

História do Grau: O grau de Marca existia na Escócia já em 1599.

Estudo: Incorpora dois graus, porque o candidato se reconhece primeiro como
um Maçom de Marca e seguidamente, adiantado, como um Mestre Maçom de Marca
na mesma cerimônia.

Requisitos: Para ser Mestre de Marca se precisa ser Mestre Maçom de uma Loja
Regular.

NAUTAS DA ARCA REAL

História do Grau: Grande Loja de Nautas da Arca Real constituída em 1871
mencionam que "... no ano 1772 uma Grande Loja se reconstituiu", não
confiavél.

Estudo: Está relacionado com a lenda do Dilúvio, da arca de Noé.

Requisitos: Estas Lojas estão ligadas à uma Loja de Marca com igual número.
O Candidato será Mestre Maçom de Marca.

CAVALEIROS TEMPLÁRIOS

História do Grau: Ordens Unidas Religiosas, Militares e Maçônicas do Templo
e de São João de Jerusalém, Palestina, Rodes e Malta. Apesar das referências
mais antigas da atividade de Cavaleiro Maçônico Templário nas Ilhas
Britânicas se encontram na Irlanda, os arquivos conhecidos mais antigos na
Inglaterra estão em Portsmouth fechados em 1777.

Estudo: Cavaleiro Templário: o grau comemora as ações de um grupo de
Cavaleiros aos quais lhe foram concedido um lugar de hospedagem dentro dos
sagrados recintos do Templo de Salomão, por Baldwin II Rei de Jerusalém em
1118.

Requisitos: Cavaleiro Templário: ser Mestre Maçom e Maçom do Real Arco.

CAVALEIROS DE MALTA

História do Grau: A união de duas Ordens que eram rivais, a pesar de não
inimigas, realmente deve apreciar-se que nenhuma demanda se faz a qualquer
conexão histórica com as Ordens Militares medievais. Apesar das referências
mais antigas da atividade de Cavaleiro Maçônico Templário nas Ilhas
Britânicas se encontram na Irlanda, os arquivos conhecidos mais antigos na
Inglaterra estão em Portsmouth fechados em 1777.

Estudo: Este grau de Cavalaria cristã relata a história dos Cavaleiros de
Malta e sua longa luta contra o infiel. Abarca o período de tempo desde que
deixaram Jerusalém até que chegaram a seu último destino na Ilha de Malta.
Atrai-se a atenção de todos os candidatos à presença de cinco Oficiais que
assumem o papel de pessoal do Estado Maior do Grão Mestre, enquanto outros
Oficiais representam as cabeças das oito repartições, no que antigamente
estava dividida a Ordem.

Requisitos: Cavaleiro de Malta: ser Cavaleiro do Templo

ORDEM SANTA DE CAVALEIROS BENFEITORES DA CIDADE SANTA

História do Grau: Os Cavaleiros Benfeitores da Cidade Santa, comumente
conhecidos como Chevaliers Bienfaisant de la Cité Saint (CBCS), se
constituíram depois de uma Convenção celebrada em Wilhelmsbad em 1782 e é a
ordem maçônica mais antiga conectada com a franco-maçonaria que teve uma
existência contínua.

Estudo: Mestre Escocês de São André: Este grau faz referência à tradição
divina do Templo de Salomão e a presença permanente da Santa Shekinah.
Também se deduz que enquanto o primeiro Templo foi destruído, dentro das
ruínas permanecia o sagrado conhecimento do Deus de Israel.

Mestre Perfeito de São André: Se desenvolve a lenda do segundo Templo,
induzindo ao verdadeiro buscador para penetrar na tumba de Hiram em busca da
palavra perdida. Seus trabalhos se premiam pela personalidade alegórica do
Mestre Construtor, levantando o véu ao revelar a ascensão de Cristo, e dando
uma interpretação cristão das lendas que formam o nome do nosso GM; também
indica a chegada da Nova Jerusalém, a mística Sión.

Escudeiro Noviço: O grau, que é de Cavaleiro, se outorga em uma Comandância.
Conta uma lenda do princípio da era Cristã, na qual os sábios moradores da
Cidade Santa foram convertidos ao Cristianismo por São Marcos. O trabalho
secreto de iniciação requer que sua doutrina tradicionalmente se transmita
de forma oral, culminando nos Cavaleiros Templários, que se supõe foram os
últimos custódios deste conhecimento divino.

Cavaleiro Benfeitor da Cidade Santa: Grau Final. Se revela ao Noviço que o
zênite da antiga civilização egípcia, inclusive com Orpheus, Pythagoras e
Platão, um dogma religioso existiu e era idêntico ao da Cristandade.
Explicando-se que a Cavalaria da Cidade Santa se manifestou em bons
trabalhos que são o caminho perfeito a Deus e pela difusão dos mesmos,
assegurando a grande bondade à família humana e a última conquista do
verdadeiro esclarecimento.

Requisitos: O número de membros está estritamente limitado e a prerrogativa
de convite se encontra firmemente em mãos da hierarquia, tanto é assim que a
Ordem raramente participa de círculos maçônicos (possivelmente se excetuam
os membros da CBCS) e a qualificação se restringe somente aos membros mais
antigos do Grande Priorato do Templo, além de ser Escudeiro Noviço, deve ser
Mestre Instalado no Simbolismo, ou seja, todos os CBCS são Mestres
Instalados.

http://www.redecolmeia.com.br/colacioppo/fernando/curriculomacferresumo.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Translate